Vacas - Dawn O'Porter


Editora: Harper Collins
Páginas: 336

Sinopse: "Um pedaço de carne; feito para reproduzir; além da sua data de vencimento; parte do rebanho. Mulheres não têm que se encaixar em estereótipos. Tara, Cam e Stella são estranhas vivendo suas próprias vidas da melhor forma que podem, apesar de poder ser difícil gostar do que você vê no espelho quando a sociedade grita que você devia viver de um jeito específico. Quando um evento extraordinário cria laços invisíveis de amizade entre elas, a catástrofe de uma mulher vira a inspiração de outra, e uma lição para todas. Às vezes não tem problema não seguir o rebanho. Vacas é um livro poderoso sobre três mulheres julgando uma à outra, mas também a si mesmas. Entre todo o barulho da vida moderna, elas precisam encontrar suas próprias vozes."





Vacas [Nem toda mulher quer ser princesa] foi uma das primeiras, e com certeza não será a última, experiência com a escrita de Dawn O'Porter. Foi um livro que eu me interessei por indicação de uma outra blogueira e quando chegou aqui em casa eu fiquei desesperada para ler. A publicação tanto nacional, quanto gringa é da Harper Collins e eu só tenho a agradecer a editora por ter trazido esse livro tão importante para os leitores brasileiros.

 Tara é mãe de uma menininha de seis anos, trabalha em uma produtora e sente o machismo no meio na pele, seu chefe que é gay, se mostra um porco machista a cada oportunidade que pode. Ela teve uma juventude bem selvagem e agora depois de ser mãe ela está tentando se acalmar, tentando achar um parceiro e nessa busca ela encontra Jack e depois de um encontro com ele sua vida muda e não para melhor. Cam é uma blogueira feminista que é contra tudo que sua mãe e irmã acreditam, enquanto a família é bem tradicional, ela acredita em independência, não quer ter filhos ou um relacionamento sério o que gera desconforto principalmente com a mãe. Stella tem um passado de perdas, a irmã gêmea e a mãe morreram jovens de câncer e ela tem o mesmo gene que a deixa propensa a pegar a doença nos órgãos reprodutivos, a única maneira de não sofrer com essa doença é retirar os seios e o útero. Por conta disso sua vida fica amarga, ela perde o namorado e está disposta a tudo para ter um filho antes de ficar estéril. A vida dessas três mulheres acaba se entrelaçando de uma forma trágica.

Vacas é um livro irônico e indigesto, passei vários dias depois da leitura pensando em como escrever sobre ele e até o momento ainda estou tendo certa dificuldade. Dawn O'Porter consegue abordar em uma espécie de crônica do cotidiano o que milhares de mulheres vivenciam no mundo inteiro e por vezes nem percebem. A cobrança para sermos subservientes a um modelo de sociedade que nos objetifica, nos reduz a meras fábricas de bebês, não nos permite viver nossa própria sexualidade, nos prende a um modelo familiar opressivo e por vezes até mesmo deprimente é tão intrincada no nosso dia-a-dia que muitos de nós nem percebemos que reproduzimos o modelo, seja por medo de represália ou por ignorância.

Camila é uma espécie de heroína dentro do livro, ela é a voz da liberdade e paga um preço alto por isso. Assim como ela, várias de nós que não queremos construir família, casar, ter filhos, etc. sofremos uma pressão que vem principalmente de dentro de nossas casas para mudar esse pensamento. A mãe de Cam acha que tudo gira em torno de uma espécie de rebeldia e não vê que a filha apenas está tentando ser ela mesma, sem aceitar o tipo de cobrança imposto por todos ao seu redor.

Tara vive um drama um pouco diferente, ela é mãe solteira e vive em um ambiente de trabalho extremamente machista. Precisa aguentar piadinhas até mesmo de uma outra pessoa que faz parte de uma outra minoria. Pausa aqui para eu dizer que achei isso genial, abordar o machismo dentro do meio LGBT que muitas vezes é apoiado pelo feminismo é algo indigesto, é algo que ainda me causa asco e que me deixa extremamente magoada é ver gays se apoiando em pensamentos escrotos sobre mulheres para se autoafirmar ou pior para esconder sua sexualidade. Dito isso quero dizer que Tara é uma personagem que representa a objetificação e o desprezo que a sociedade tem sobre a sexualidade feminina.

Stella, por sua vez, é uma personagem bastante controversa, não consegui me conectar diretamente com ela, pois ela pode ser considerada uma vilã em primeira instância, mas acima de tudo ela representa a falta de sororidade entre as mulheres. O bichinho que nos morde para criticar a amiguinha por tudo e qualquer coisa e que na verdade é apenas aquela vontade de esconder nossos próprios defeitos.

Eu adorei essa capa, acho ela extremamente representativa. A diagramação da Harper Collins não é cheia de firulas, mas contribui muito para que você leia com muito mais facilidade. Enfim, recomendo esse livro principalmente para mulheres, é um livro importantíssimo sobre nós, nossos costumes e nossos anseios.


11 comentários:

  1. Oi Priscila, já tinha ouvido falar desse livro e gostei de ler sua animada resenha sobre ele, que parece ser mesmo aquele livro onde é difícil de se expressar de tão bom depois da leitura por ter muitos assuntos palpáveis, muito reais e as personagens parecem ser bem ricas, daquelas que fazem o leitor refletir.
    Gostei da resenha sim e espero ter a oportunidade de ler futuramente o livro ;)

    ResponderExcluir
  2. Oi Priscila.
    Essa não é a primeira vez que vejo falar do livro.
    Porém só agora ele despertou minha curiosidade para ser uma possível leitura, eu adoro que o autor faz ma crítica ao fato de que nós mulheres segundo as leis da sociedade, devemos casar e ter filhos e viver em prol disso, o que particularmente acho terrível, afinal cada um tem o direito de escolher o que quer para sua vida, enfim, eu adorei e quero ler com certeza.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Ola, Não conhecia o livro, é a primeira resenha que leio, achei realmente interessante, principalmente por mostrar que somos diferentes, cada uma sua maneira e temos direito de escolha, gostei da resenha e gostaria muito de ler se tiver oportunidade!!

    ResponderExcluir
  4. Uaaaaau!
    Confesso que na primeira vez que vi o livro e li a sinopse, não me interessei. E estava esperando por uma resenha pra ver se mudava minha opinião, e mudou.
    Super necessário! Me identifiquei, e fico feliz que exista um livro com esse tema. E que mostra que muitas vezes nós mesmas nos sabotamos ao invés de apoiar uma a outra.
    Agora fui entender a capa, vi o detalhe e gostei.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Ainda não li nem um livro da autora Dawn O'Porter, e não conhecia este livro, achei bem diferente a história, e parece ser um livro muito bom, simplesmente fiquei muito curiosa para ler este livro depois de ler sua resenha, acho que é uma leitura bem importante, pretendo ler Vacas em breve.

    ResponderExcluir
  6. Priscila!
    Que título, hein? Ainda mais relacionado a mulher...
    Mas pelo visto traz temas bem polêmicos.
    Já gostei de ver que cada história de cada mulher, aborda um 'problema' diferente e elas em si são bem diferentes.
    Atentado ao pudor dentro do metrô...kkkk Imagin o quanto esse vídeo na internet, deve ter prejudicado e mudado a vida dela.
    Automutilação é problema bem sério.
    Talvez se autora tivesse escrito um livro para cada uma, poderia discutir melhor o tema.
    Gosto também do tema e fiquei interessada.
    Acho que sou uma vaca também...kkkkkk
    Parece que a Harper está com o mesmo problema da Harlequin: a revisão...
    Desejo um maravilhoso e florido final de semana!
    “Para saber uma verdade qualquer a meu respeito, é preciso que eu passe pelo outro.” (Jean-Paul Sartre)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE OUTUBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  7. Havia visto esse livro mas não sabia sobre o que era , e vendo o vídeo agora adorei a premissa.
    A capa ficou linda,
    Parece ser um livro bem polêmico e que mostra que lugar de mulher e onde ela quiser.
    Adorei a história das 3 mulheres e já estou curiosa para saber mais sobre elas.

    ResponderExcluir
  8. Falta RESPEITO! Precisamos respeitar as individualidades dos outros: vc pode ser feminista e gostar de arrumar a casa, vc pode ter o sonho de casar e ter uma penca de filhos ou pode tbm não casar e não ter filhos, pode se relacionar com uma pessoa do mesmo sexo ou não. Ninguém pode fazer escolhas por vc.

    ResponderExcluir
  9. Parece um livro bastante importante e com uma mensagem poderosa. Sem dúvidas capaz de fazer o leitor refletir sobre as decisões, comportamentos e pensamentos que temos a respeito das pessoas. Curti a resenha.

    ResponderExcluir
  10. Creio que seja a terceira que leio sobre ele e todas foram muito positivas em relação a proposta do livro e como é desenvolvida a trama de personagens tão diferentes e depois como se liga a outra, com temas tão atuais e ainda pouco falado nos livros. Tudo nele encanta a capa e sua proposta. Quero em breve poder realizar a leitura dele!!

    ResponderExcluir
  11. Já quero esta obra, e vejo que retrata muito o nosso cotidiano, pois tanto as mulheres que seguem os padrões da sociedade, seja por qual motivo for, e as que se enxergam que vamos além dos ditadores, opressores, e optam por lutar por esta liberdade sofrem por isto, não e fácil se empoderar, se rebelar, e dizer que demos sim ser respeitadas como igual, nem mais nem por menos. Livro incrível que abordam a estória de três mulheres guerreiras, já quero esta obra.

    ResponderExcluir