O Rei do Show (2017) | Crítica



Com sua história simples e cativante, a obra evoca a magia dos musicais em tela, percorrendo suas veias por duas horas de pura felicidade.
Musical é um gênero de filme controverso ainda nos dias hoje, ridicularizados por muitos, ignorados por outros e subvalorizados pela maioria. Olhados com desconfiança pelas pessoas e pela mídia, mesmo já provando seu potencial com filmes premiadíssimos como Chicago, Los Miserables e recentemente com La La Land.

Esse é um dos paralelos que podemos fazer com esse filme, pessoas que sofrem preconceito, os excluídos, os estranhos, os “freaks” e renegados da sociedade encontram um local pra chamar de lar, mostrarem seus talentos e que sim, nós podemos amá-los e eles também amam.


Todos nós somos capazes de esquecer o que realmente importa por estamos em busca de algo que achamos que precisamos, isso é retratado no filme de forma direta na busca do protagonista em ser aceito pela alta sociedade americana e ter o respeito da crítica especializada, já que é ridicularizado pelos mesmos, vemos  durante  sua jornada seu declínio de caráter e sua incapacidade de enxergar que está machucando a quem realmente importa, seduzindo pelo showbusiness e todo o glamour que vem com ele. 

 

Os "freaks" retratam a dificuldade de aceitação e como a sociedade pode ser cruel, no palco são aplaudidos e nas ruas apedrejados, eles são o pilar de sustentação do show e de todo a ascensão do protagonista, que em dado momento chega a esquecer disso, renegando-os a segundo plano como a sociedade costuma fazer, mas a vida se encarrega de mostrar o que realmente importa.  

Acompanhamos a história do filho de alfaiate interpretado por Hugh Jackman, P.T Barnum, desde a sua infância até a fase adulta, da sua ascensão social e financeira ao decidir fundar primeiramente um museu, que rapidamente se transforma num circo com pessoas peculiares e sua busca por reconhecimento da sociedade burguesa americana, personificado pelo crítico de teatro interpretado pelo ator Paul Sparks, personagem que é claramente um objeto do filme que tem a intenção de nos mostrar como é paradoxal a relação dos críticos com o conteúdo, pessoas que estão ali para avaliar o trabalho de terceiros que são incapazes de apreciar aquilo que criticam, se tornando amargos e vilanizados pelos produtores. O filme está a toda hora preocupado em justificar que necessitamos nos desprender de julgamentos em determinadas situações, como em um espetáculos circense, para apenas nos divertimos e sermos felizes. 



É maravilhoso ver Hugh Jackman tão confortável em tela e feliz por estar fazendo o que sempre quis fazer, com liberdade após finalizar seu legado em Logan, pode finalmente cantar e dançar na grande telona com leveza e isso já torna grande parte do problemas do filme menos relevantes para impressão final que podemos ter dessa jornada. Ele e Zac Efron tem ótima química em cena e tem ótimos momentos durante o filme, assim como Zendaya, que também destaca-se pela acrobacias e suas cenas junto a Zac Efron e seu relacionamento (pouco aprofundado até) que denota todo o preconceito entre pessoas de castas sociais diferentes.

Destaque para Kealla Settle, intérprete da mulher-barbada, que rouba a cena com sua voz marcante e com um dos números mais envolventes do filme com a original “This Is Me”, um hino de empoderamento atual para as problemática da diversidade do mundo moderno.
Sim, ainda não evoluímos muito a respeito disso.

O filme acerta no tom das músicas e sua roupagem contemporânea, não iremos escutar essas músicas apenas durante o filme com toda certeza. Não há muita preocupação com uma fotografia esplendorosa, mas há certos planos bem enquadrados e momentos marcantes. O uso de slow motion bem aplicado em certos takes do filme dão mais impacto nas performances, que são dignas de serem classificadas como videoclipes.

O Rei do Show peca em acelerar demais os acontecimentos da vida do protagonista e com soluções fáceis para os problemas, suas decisões são muitos arriscadas e os resultados satisfatórios demais, de forma conveniente até, como também em desenvolver melhor as relações e a profundidade de seus personagens secundários, que são interessantíssimos. Diferente da maioria dos filmes atuais, há uma clara necessidade de haver mais tempo de filme para apreciarmos melhor esta obra, mas a magia ludibriante do espetáculo faz com que você se importe menos com isso do que deveria, pois a cada música o filme se torna mais cativante pra quem é capaz de embarcar em sua jornada, em diversos momentos fica difícil não marejar os olhos, não de tristeza, mas sim pelo ode a felicidade que o filme evoca. Cumprindo sua principal função - e intenção - que é divertir e te fazer sorrir.


Embarque. Divirta-se. Seja Feliz.

“A arte mais nobre entre todas é a de fazer alguém feliz.”P.T.Barnum.
__________________________________________

Título The Greatest Showman (Original)
Ano produção  2017
Dirigido por Michael Gracey
Estreia
25 de Dezembro de 2017 ( Brasil )  

24 comentários:

  1. Uaaaaau...
    Eu amo musicais, apesar de não ter muita oportunidade de assistir.
    As imagens do filme estão incríveis, e o elenco é de primeira. Hugh Jackman arrasou em Os miseráveis, com certeza será um arraso nesse.
    Parece um filme incrível, amei a indicação e quero muito assistir.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra quem ama musicais e embarca na magia esse filme é na dose certa. Não te como não ser capturado por ele. Vale o ingresso e a emoção da telona. ;)

      Excluir
  2. Musical e o circo parecem fazer um casamento espetacular na tela e mesmo não vendo tantos musicais como deveria eu fiquei bem interessada em ver o resultado na tela. Eu gosto do Hugh e fiquei curiosa pra ver como essa liberdade pós Logan que você citou afeta sua atuação de forma positiva. E se um filme nos leva a desejar mais tempo de dela com certeza merece ser visto ;) Curti a critica e quero sim assistir o filme :D

    ResponderExcluir
  3. Achei bem bonita essa ideia da história e curto o negócio do musical nas telonas, ahh me lembra daqueles filmes de infância, das coisas que tanto via e era tudo cantado e coisa assim. Passa um clima bom, sei lá.
    E achei interessante a forma como mostra os preconceitos e julgamentos, tanta coisa que faz a gente acabar pensando...
    O elenco também foi o que me deu aquela vontade boa de assistir. Tem muitas carinhas conhecidas ali e ver o Hugh assim depois de Logan deve ser bem diferente!
    Gostaria de assistir.

    ResponderExcluir
  4. Ola!!
    Adoro filmes de musicais e com certeza vou assistir, Música e circo juntos acho que vai ser o máximo gostei muito do elenco, Hugh Jackman após o Logan vou achar bem diferente, também gosto muito do Zac Efron, tem até uma mulher-barbada, quero muito assistir assim que lançar, Amei a Dica!!

    ResponderExcluir
  5. Eu não sou muito de filmes musicais mas eu adorei principalmente com esse ator maravilhoso Super indico o filme achei muito fofinho e interessante

    ResponderExcluir
  6. Oi.
    Eu confesso que fora muito poucos os filmes musicais que assistir, todavia confesso, que acho esse tipo de filme bem interessante, em especial pela amostra do talento dos personagens e pelas histórias que o musical retrata, essa é a primeira vez que vejo falar desse, mas sei que irei assistir com toda certeza.
    Bjs,

    ResponderExcluir
  7. Olá Jonny! Acho que problema com os musicais são canções demais e enredo de menos. Entretanto O Rei do Show tem uma mensagem por trás de todas as músicas e faz com que o público se sinta leve ao assistir o filme. Além do mais acho essa coisa do circo meio hipnotizante. Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi Jonny!
    Nossa, o ator está até diferente, não carrega o ar pesado do Logan. Sou fã de musicais, e já tive que defender várias vezes esse estilo de filme, o pessoal tem um pouco de preconceito. A história parece interessante, no caso de acelerarem ela, poderiam ter dividido em dois filmes, assim ficaria mais completo. Eu curti, parece mesmo um bom filme e com uma fotografia bem colorida.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! dois filmes seria uma ótima idéia, até porque você fica querendo mais deles! <3

      Excluir
  9. Amo musicais! No enredo os personagens estão em busca de superação e na vida real tbm. Hugh Jackman é prova disso. Ainda há uma evolução do Zac como cantor e dançarino lá dos tempo de HSM. Zendaya arrasa dançando.

    ResponderExcluir
  10. Olá, o longa realmente chama atenção com a fotografia impecável e pelo elenco que o compõe. Vejo que é impossível não se sensibilizar pelo que os personagens enfrentavam naquele período, marcado por tantos preconceitos decorrentes da ignorância. Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Jonny!
    Simplesmente amo o Hugh Jackman e vê-lo protagonizar uma história real com tamanha maestria, deve ser um filme delícia.
    Ainda mais que a história sensibiliza, porque foi uma saga vivida na época.
    Quero poder assistir.
    Um domingo abençoado na paz do Senhor e FELIZ NATAL!
    “Celebrar o Natal é crer na força do amor, é isto que transforma o homem e o mundo. Feliz Natal!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA dezembro 3 livros + 2 Kits papelaria, 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  12. Não costumo assistir musicais, mas gostei muitos dos que já vi.
    Gosto bastante do Hugh Jackman, ele deve estar ótimo no filme <3
    Acho legal esse tema meio cirsense, todo aquele figurino e ilusões são encantadoras!
    Quero assistir!!

    ResponderExcluir
  13. Este ator sempre se entrega ao atuar para algum personagem, em uma de suas entrevista, citou que teve que engorda para interpretar este papel, e que para ele não teve problema algum. Além de que todo cenário da qual somos transportado e muito bem trabalhado, até o desenvolvimento da trama. Bom, estou bastante ansiosa para poder assistir.

    ResponderExcluir
  14. Descreveu bem como os musicais são encarados nos dias atuais. Ridicularizados por uns, valorizados por poucos, eu não sou muito de acompanhar este gênero, mas quando paro para assistir me apaixono, La La Land é um que está na lista. Sobre O Rei do Show, curti a história, mas suas críticas finais me deixaram com um pé atrás, como a do aceleramento da história. Vou pensar sobre assisti-lo.

    ResponderExcluir
  15. Oi Jonny...
    Adoro musicais... E Hugh Jackman é sempre incrível em suas atuações... O figurino está incrível e gosto de histórias que mostram o quanto as classes mais baixas, apesar de sofrerem preconceitos de diversas formas são capazes de dar a volta por cima... Com certeza quero assistir ao filme me emocionar e me divertir com ele.
    Abraços...

    ResponderExcluir
  16. Assisti o filme essa semana e achei lindo. As coreografias, cenário, atuação, as músicas. O filme tem uma certa magia, que me tocou e me deixou emocionada. Aliás, o que é a música This Is Me? Simplesmente linda. Achei bem legal ver o Hugh Jackman num papel tão diferente. Acho que sua critica passou muito bem o que o filme é e a sensação que causa já que me identifiquei em vários momentos. Conforme ele vai dando valor a algumas coisas que não são importantes acho que os telespectadores vão torcendo pra que ele volte atrás, para que ele perceba o que realmente é importante e que ele volte a ser aquele homem que ainda menininho já encantou as pessoas pela simplicidade e determinação em querer ser feliz. Achei o filme ótimo, valeu muito a pena assistir!

    ResponderExcluir
  17. Olá! Mesmo não sendo super fã de musicais, achei um filme bacana, embora ele realmente não se aprofunde muito no seu enredo, é um filme bonito, que de fato cumpriu muito bem o seu papel, me emocionou e divertiu, a trilha sonora também é fantástica.

    ResponderExcluir
  18. Poxa eu quero TANTO ver esse filme, mas infelizmente não veio para o cinema da minha cidade. =(
    Adoro o Hugh Jackman e tô muito curiosa para vê-lo em uma performance mais leve nesse musical, que aliás realmente é um gênero até mal visto por muitos como você citou, mas eu gosto muito de alguns. Acho que o mais importante dos musicais é a mensagem que eles deixam no final, o sentimento que fica com a gente, e parece que nisso O Rei do Show não pecou.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  19. Eu amo musicais e o Hugh também!
    É essa a primeira resenha do filme que leio, e adorei!
    Sensacional!
    Pelas fotos deu pra perceber que a produção caprichou muitooooooo!
    A história é muito linda também, tratando de assuntos que são sempre atuais, ainda mais problemas sobre aceitação na sociedade, algo que gosto muito de ler sobre.
    Vou assistir assim que puder!
    beijinhos.

    ResponderExcluir
  20. Oi, Jonny!!
    Não curto muito musicais mas como adoro o ator Hugh Jackman vou fazer um esforço para assistir esse filme, e também fiquei curiosa para ver a mulher-barbada cantar!!
    Bjos

    ResponderExcluir
  21. Vi o trailer desse filme. Não curto muito musicais, prefiro filmes normais mesmo como comédias e romances.

    ResponderExcluir
  22. Oi Jonny ;)
    Não sou fã de musicais, assisti Los Miserables e não gostei, mas AMEI La La Land, por isso ainda não sei se amo ou odeio esse gênero de filmes haha
    Fiquei bem animada para ver O Rei do Show, pois achei a premissa do filme bem interessante. Assisti a temporada de American Horror Story que tratou desses "freaks", pessoas marginalizadas pela sociedade e que se encontraram no circo, e adorei esse tema!
    Gostei demais dos atores escolhidos, e desde o trailer deu para ver a química entre o Zac e a Zendaya, já sei que vou suspirar de amor pelo casal! Sem falar no Hugh *-*
    Bjos

    ResponderExcluir