Uma Dobra no Tempo- Madeleine L'Engle- Uma Dobra no Tempo #01


Editora: Harper Collins
Páginas: 240
Classificação: 

Sinopse: Era uma noite escura e tempestuosa; a jovem Meg Murry e seu irmão mais novo, Charles Wallace, descem para fazer um lanche tardio quando recebem a visita de uma figura muito peculiar.“Noites loucas são a minha glória”, diz a estranha misteriosa. “Foi só uma lufada que me pegou de jeito e me tirou da rota. Descansarei um pouco e seguirei meu rumo. Por falar em rumos, meu doce, saiba que o tesserato existe, sim.”O que seria um tesserato? O pai de Meg bem andava experimentando com a quinta dimensão quando desapareceu misteriosamente... Agora, com a ajuda de três criaturas muito peculiares, chegou o momento de Meg, seu amigo Calvin e Charles Wallace partirem em uma jornada para resgatá-lo. Uma jornada perigosa pelo tempo e o espaço. Uma dobra no tempo é uma aventura clássica, que serviu de inspiração para os mestres da fantasia e da ficção científica do mundo, agora adaptada para os cinemas pela Disney. Junte-se à família Murray nesta jornada, entre criaturas fantásticas e novos mundos jamais imaginados.


Uma Dobra no Tempo foi minha primeira experiência com a escrita dessa autora, não tinha ouvido falar dela antes, mas isso se deve ao meu pouco conhecimento no gênero ficção científica. Um dos meus projetos para esse ano de 2018 é expandir meu quase nenhum conhecimento sobre esse gênero.

Os irmãos Murry são notáveis, ao menos dois deles são. Meg e Charles Wallace são crianças que não agem como crianças e se rebelam contra as coisas que são impostas a eles. O pai está desaparecido e a mãe vive triste, então quando um trio diferente de senhoras os convida a resgatar o pai de uma galáxia distante eles embarcam nessa aventura.

Ficção científica não é bem um gênero que eu costumo ler e acabou que eu levei mais tempo que o esperado para concluir essa leitura, o ritmo é diferente, acontecem algumas coisas que não "colaram",os personagens são extraordinários demais para sua idade e talvez por isso eu tenha tido certa dificuldade.

Apesar disso eu curti bastante a leitura, deixando de lado meu desconforto de não conseguir associar as falas a personagens tão jovens, gostei bastante como a autora trabalhou de forma filosófica conceitos mais científicos, religião e outras pequenas críticas a sociedade de forma quase imperceptível.

Meg é uma garotinha que já é empoderada, antes de empoderamento ser empoderamento (esse livro foi escrito na década de 60), cheia de atitude ela é daquelas protagonistas que você quer amar e apertar e proteger das maldades do mundo.

Charles Wallace parece ser muito mais velho e foi o personagem que eu mais tive dificuldade para me conectar, segundo a autora ele deveria ter cerca de cinco anos, mas não dá para associar a idade a personalidade do personagem.

As cenas de ação e os mundos por onde as crianças passam são muito bem construídos, com detalhes e com personagens coadjuvantes notórios.

Essa edição da Harper Collins está um primor de linda, além da capa ser dura e super linda, cada capítulo vem com o desenho do espaço e ao final do livro temos um posfácio escrito pelo neto da autora contando um pouco sobre a construção do enredo. Enfim, recomendo muito para quem ama ficção científica.

7 comentários:

  1. Oi Priscila :)
    Também leio pouca ficção científica e são poucos livros do gênero que me chamam atenção. A autora deveria ter prestado mais atenção na hora de criar os personagens, é difícil quando as falas e atitudes não condizem com eles, principalmente por serem crianças. Fora esse ponto negativo eu gostei de saber que eles viajam por "mundos", deve ser um conteúdo bem divertido de ler. Apesar de não ser um livro que iria ler logo de cara, eu gostei da resenha.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    Nunca li nada de ficção cientifica, o que mais cheguei perto do gênero foi no cinema.
    É muito ruim quando você ler algo e não consegue encaixar aquilo que você está lendo com a "realidade" eu quando estou lendo e acontece algo assim não consigo mais me concentrar na leitura, fica tudo muito surreal. Enfim, também quero ler outros gêneros que não estou tão acostumada a ler esse ano.

    ResponderExcluir
  3. Também não tenho muito conhecimento sobre ficção científica, e confesso que não tenho vontade de aprofundar esse conhecimento.
    Gosto muito de histórias narradas por crianças, acho que dá um encanto a mais.
    Essa capa realmente é lindíssima, e ainda é capa dura. Amo!
    E achei bonito posfácio escrito pelo neto.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Achei esse um livro bem interessante porque coisas assim me chamam atenção, ficção científica, a fantasia da história e tal. Com personagens tão jovens foi algo um tantinho diferente e gostei, faz tempos que não vejo nada assim do tipo com gente mais nova. Pode soar um pouco estranho mesmo por serem tão jovens e umas coisas não baterem, mas sei lá, aí só lendo pra entender. Deu curiosidade. Gostei do jeito deles, da personalidade desse pessoal. A Meg já chamou atenção poque vi muita coisa boa dela. No geral parece um bom livro, acho que iria gostar.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Preciso muito ler este livro vai ter a adaptação para o cinema esse ano (com a Oprah). Gosto muito de ficção científica e quando é narrado por crianças, achei bacana essa editora ter lançado esse clássico em capa dura.
    Já leu O guia do mochileiro das galáxias? Esse foi o livro que fez eu me apaixonar por ficção cientifica.

    ResponderExcluir
  7. Ola Priscila!!
    Também não conhecia a autora do livro e não costumo ler livros de leio ficção científica, mas achei a premissa interessante e gostaria de ler, achei legal o livro ser narrados por crianças, a capa do livro é realmente muito linda e gostei muito de saber que é de capa Dura!!

    ResponderExcluir