Lady Bird - A Hora de Voar (2018) | Crítica



O retrato mais fiel da adolescência

Por mais que a premissa não pareça interessante para olhos adultos, Lady Bird se mostra uma grata e despretensiosa surpresa nesse circuito de 2018 para os filmes do Oscar e não é difícil entender suas indicações.

Sendo a única diretora a concorrer esse ano como Melhor Direção e a quinta da história(sim, gente, é isso mesmo, somente 5 mulheres até hoje concorreram ao Oscar e só Kathryn Bigelow levou a estatueta pra casa. Algo errado não está certo…), é um marco relevante que deve ser exaltado, Greta Gerwig consegue captar a essência do que é ser adolescente sem parecer piegas e fútil como os filmes adolescente costumam ser, algo que já se diferencia dos demais é o clima do filme, composto pelas atuações, roteiro e direção muito bem executados para dar um ar de fácil identificação com aqueles dramas, mas sem jamais ridiculariza-los.


Se você tem mais de 18 anos você se verá em algum momento em Lady Bird, todos aqueles dramas são reais e você deve ter passado por muitos deles - ou pelo menos alguns - e naquela época eles pareciam o fim do mundo pra você, e esse filme torna tudo muito crível, você consegue respeitar aqueles anseios, aquelas paixões, aqueles sonhos vividos por Christine, o verdadeiro nome da Lady Bird, que se intitula assim por achar cool ter um nome alternativo, quem já não tentou ser mais descolado do que realmente era, que jogue a primeira pedra.


São recortes simples, e até secos da vida dessa garota que acompanhamos, a perda da virgindade, a busca de uma faculdade e a cidade grande, o primeiro amor, o primeiros emprego, a tentativa de ser diferente e ser popular, e principalmente, seu relacionamento familiar, focando muito em sua mãe. Aquela relação de profundo amor e explosões de raiva que podemos ter em casa, que ao fim de uma frase se torne uma grande briga e depois já estão rindo juntos novamente.

A direção e a montagem trabalham com maestria para ilustrar experiências vividas pela Lady Bird com apenas pequenos takes, sem diálogos, sem textos a respeito, deixando apenas subentendido pra quem sabe o que está acontecendo entender. Como nós já vivenciamos diversas coisas que passam sutilmente no filme, elas não precisam ser aprofundadas durante a obra, e é um grande acerto do roteiro, essa falta de profundidade se mostra algo positivo, pois deixa o filme leve, mesmo que ele mostre bem como é a vida de um cidadão médio comum, com problemas financeiros e grandes sonhos pra sua vida.


Lady Bird é um ótimo filme para relembrar como era ser adolescente, como era bom o frio na barriga das nossas diversas “primeiras vezes” que tivemos em nossas vidas. E que amadurecemos um dia, que a vida com muita calma se encarrega disso, e mesmo sonhando ir para longe, muito longe, as vezes ao alcançar isso, no damos conta de que a melhor coisa da vida é voltar pra casa.

20 comentários:

  1. Que crítica maravilhosa!
    Gostei muito do título, e fiquei com muita vontade de assistir.
    É um filme perfeito para entrar no modo nostálgico e relembrar daquele momento em que vivíamos ao extremo, mas que foram os melhores anos (pelo menos pra mim) da vida!
    Gostei.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Jonny
    Já vi tantos filmes que retratam a adolescência, a maioria bem clichê, e acredito que o que diferenciou esse foi as atuações que parecem ser magníficas. É claro que só pelo trailer já consigo identificar algo que vivi nessa fase, chega a ser engraçado né, rsrs. Quero assistir.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Fiquei interessada em ver o filme pela atriz, gosto dos trabalhos dela. Mas nossa, essa história é bem daquelas que a gente se identifica mesmo, ao menos com algumas coisa a gente vai se lembrar de momentos já vividos, dos dramas e como tudo não era tão grande, as brigas com pais, as coisas novas...achei tudo bem legal e interessante por isso. Parece mostrar um retrato fiel dessa fase da vida, tem um monte de sentimentos ali pra explorar e no geral o filme parece ter feito tudo muito bem. É um que tô louca pra assistir. Vamos ver se ganha nesse Oscar depois.

    ResponderExcluir
  4. Oi Jonny.
    Esse filme parece ser ótimo para relembrar alguns aspectos da adolescência e transição para a vida adulta. Parece ter uma história simples, fazendo com que muitas pessoas consigam se identificar com as atoras e as situações.
    Fiquei com bastante vontade de ver esse filme.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá! Dos indicados ao Oscar esse é o filme que estou mais curiosa para assistir (espero assisti-lo em breve), acho o enredo do filme muito bom, realmente a adolescência é uma época muita importante na vida de todo mundo e por isso a maneira como ela será retratada no filme é muito bacana, acho que trará mesmo esse sentimento meio nostálgico para aqueles que já passaram por essa fase.

    ResponderExcluir
  6. Este filme esta sendo super falado mesmo, e achei super bacana poder conferir tua postagem para saber mais sobre ele. E como ele esta sendo indicado para o Oscar já deixa a gente mais curioso sobre o filme mesmo. Creio que seja uma temática bem adolescente mesmo, mas ainda sim interessante de se olhar.

    ResponderExcluir
  7. Jonny!
    Nossa! Minha adolescência já data mais ou menos quatro décadas, será que conseguirei me identificar?
    De qualquer forma, é bem como falou, certeza que tem público alvo de fávil aceitação, porque qualquer um poderá se identificar com as situações que são críveis no cotidiano adolescente.
    E temos de torcer por uma diretora feminina ganhando o Oscar, né?
    “Acredite na justiça, mas não a que emana dos demais e sim na tua própria.” (Código Samurai)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA FEVEREIRO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  8. Eu assisti ao filme e não pude deixar de me identificar, a relação mãe e filha é muito bem retratada, e os dramas adolescentes apesar de serem clichês são reais. Eu com certeza tenho uma Lady Bird interior (rs).

    ResponderExcluir
  9. Oiee!
    Como já foi dito é um livro pra relembrar tudo ou ao menos boa parte do que passamos na adolescência.
    Gosto de filmes assim, e esse me parece ser bem interessante, com todos esses dramas e problemas que a gente acha que só acontece conosco, mas na verdade, não.
    Curti muito.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Oi, Jonny!
    Na minha adolescência eu era muito tímida, queria ficar mais no meu cantinho, quando fazia amizade era porque eu era procurada... por isso nunca quis ser mais descolada do que realmente era, eu nunca busquei popularidade... talvez por esses e outros motivos tramas sobre dramas adolescentes iguais a Lady Bird não despertam o meu interesse, não tenho curiosidade em acompanhar as "primeiras vezes" de Christine.
    Mas achei bacana a sua crítica, depois nos conta se a diretora ganhou o Oscar...
    Abraços!

    ResponderExcluir
  11. Não tinha lido a sinopse desse livro (na verdade estou bem perdido em relação aos lançamentos desse ano), mas gostei da história, embora seja um drama acho legal ter uma pegada diferente para rememorar a adolescência, um filme nesse estilo e bem antigo mas legal é "Aos 13" retrata um pouco essa rebeldia de uma forma que não torna piegas e nem cansativa. Vamos torcer para que leva o oscar!

    ResponderExcluir
  12. Eu tava procurando qual poderia ser o próximo filme que irei ver, depois da forma da água eu to precisando de algo bom e menos traumatizante, e parece que seu post veio pra me salvar, um muito obrigada por sinal. Não faz pouco tempo que sai da adolescência, se é que sai porque ainda tenho 20 anos kkk. Eu espero poder realmente curtir o filme como você e assim que assistir se for bom mesmo vamos torce para que a diretora leve esse oscar pra casa.

    ResponderExcluir
  13. Eu já assisti esse filme, e confesso que quando fui assistir, estava esperando um filme bem mais ou menos. Mas me surpreendi muito com o filme. Achei a história dele muito boa. E também achei ele bem leve e muito bem feito. Estou torcendo para ganhar o Oscar.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Olá Jonny ;)
    Já passei dos meus 18, e tenho certeza de que pelos seus comentários vou me ver muito na pele de Lady Bird.
    Estava bem ansiosa para ver esse filme, sua crítica é a primeira que leio (não queria estragar nenhuma surpresa haha), e já sei que vou adorar o filme! Sempre gosto da atuação da Saoirse, e sinto que com Lady Bird não será diferente!
    Bjos

    ResponderExcluir
  15. Gente tenho que admitir, já vi várias críticas, mas não tenho interesse de assistir. Não faz meu estilo de filme, não atrai meu interesse, sei que se começar a assistir logo vou fechar e partir pras minhas séries ou filmes de super-herói da vida, e eu sou dessas que não gosto de insistir muito em algo que sei que não vou gostar.

    ResponderExcluir
  16. Já assisti e gostei. O filme é bem isso que você disse mesmo. É um filme que mostra as primeiras coisas, primeiro amor, primeiro emprego, primeira vez... É um filme que é leve, mas é real. Eu gostei e acho que a atriz estava muito bem no papel, ficou natural. A relação conturbada dela com a mãe, algo que é tão comum (infelizmente) para muitos adolescentes. Achei o final do filme agradável, fiquei satisfeita e me deu até um gostinho de quero mais.

    ResponderExcluir
  17. Eu sou uma das que não acharam o filme interessante, mas, até então, só dei uma lida por cima em alguns texto, vi trailers, e confesso que não entendi a indicação.

    ResponderExcluir
  18. O que mais me chamou atenção em Lady Bird foi a naturalidade e a simplicidade com qual ela aborda problemas que a gente passou quando foi adolescente então eu achei isso encantador no filme e eu me identifiquei a cada palavra dita pela personagem mas antes de assistir esse filme eu quero assistir ao filme me chame pelo seu nome

    ResponderExcluir
  19. Conhecia o filme de nome, e gostei muito da sua resenha.
    Deu pra ver o quanto o filme trouxe uma mensagem real, sensível e profunda, que marca a gente.
    Mas não sei se eu vou assistir logo, porque gente, mal passei pela adolescência, tô traumatizada ainda, credo, nem gosto de lembrar! kkkkkk
    bjsss

    ResponderExcluir
  20. Oi, Jonny!
    Confesso de todos os filmes indicados ao o osca esse é o único que não me deixa animada para assistir. Mas fica a indicação.
    Bjoss

    ResponderExcluir