A Duquesa - Danielle Steel

Editora: Record
Páginas: 335
Classificação: 

Sinopse:A saga de uma jovem bem-nascida, que se vê sozinha no mundo e é obrigada a embarcar em uma jornada de sobrevivência e sensualidade em busca da tão sonhada justiça.Angélique Latham cresceu no esplendoroso Castelo Belgrave, na Inglaterra, e foi criada sob a tutela e o carinho do pai, o duque de Westerfield. Aos 18 anos, ela é a menina dos olhos do duque, mas, assim que ele morre, seus meios-irmãos mais velhos lhe viram as costas, abandonando-a completamente. Porém, com sua inteligência aguçada, uma beleza arrebatadora e um baú de dinheiro que seu pai lhe deu em segredo no leito de morte, ela fará de tudo para sobreviver.Sem conseguir arrumar emprego por não ter uma carta de referência, mesmo depois de um tempo trabalhando como babá, Angélique tenta a sorte em Paris. E é lá que o destino coloca em seu caminho uma prostituta, vítima dos maus-tratos de Madame Albin. Ao ajudar a jovem, Angélique vê uma oportunidade: abrir um bordel de luxo para atender aos homens mais abastados da cidade e onde pudesse proteger essas mulheres. Logo, o elegante Le Boudoir, um lugar onde os homens poderosos podem satisfazer seus desejos mais secretos com as companhias mais sofisticadas, se torna a sensação de Paris. Mas, vivendo na iminência de um escândalo, Angélique conseguirá algum dia recuperar seu lugar no mundo?Da Inglaterra do século XIX, passando por Paris e Nova York, Danielle Steel retrata uma época de luta das mulheres em uma sociedade predominantemente masculina ao contar a história inspiradora de uma cativante dama de espírito revolucionário.





   A Duquesa foi o livro vencedor da enquete que faço toda semana do livro que comento lá no Instagram. Confesso que não tinha muita expectativa, pois já conhecia a autora e sabia que ou eu ia amar ou iria achar o livro morno. Achei o último e vou explicar os motivos.

Angélique é uma garota que viveu a vida toda com o pai, que é conde. De acordo com as leis ela não terá direito a nada, contando apenas com os irmãos que a odeiam. Com a morte do pai o novo conde expulsa Angélique de casa, mandando-a para a casa de conhecidos para trabalhar como babá. Lá a moça vive por um tempo até que é demitida. Ela resolve ir então para Paris, sem perspectivas de encontrar um novo trabalho, Angélique se depara com uma ideia nada respeitável para viver sua vida.

Vamos aos fatos, esse livro não é um romance de época. Já não é a primeira editora e não será a última a induzir o leitor a pensar que o livro é de um gênero quando ele não é. A mim isso não irritou tanto, pois eu já conhecia a autora, então não foi uma grande surpresa.

Angélique é tipo a Maria do Bairro, sofre até não poder mais e quando você pensa que ela vai parar de sofrer um pouco, ela sofre mais. O livro não tem um romance romântico, então a moça não tem um par que luta por ela ou algo do tipo, então se você está esperando um romance onde a mocinha encontra um mocinho maravilhoso, saiba que não tem mocinho.

Algumas coisas me irritaram no livro, primeiro a mocinha aqui não leva a moral das mocinhas de época, ela faz coisas nada respeitáveis as vistas da sociedade e leva tudo numa boa. O que eu creio que seja característica mais latente em mocinhas de romance contemporâneo. Apesar da pouca idade ela é extremamente arrojada e independente, o que também não condiz com as características da época. 

Além dessas características, o livro traz algumas pontas soltas relativo a personagens secundários, que simplesmente são esquecidas.

Confesso que esse não foi o pior livro da autora que já li, esse pelo menos consegui ir até o final.

Eu até gosto dessa capa, acho ela bastante bonita. Li esse livro em e-book então não tenho grandes comentarios acerca da diagramação. Enfim, recomendo para quem está querendo ler um drama, jamais um romance de época.

15 comentários:

  1. Mas nossa, já levei um tombo porque achava que o livro era romance de época sim e odeio quando fazem isso com a gente. Ver um livro, achar que é A mas é B. Aff.
    Não sei se iria gostar tanto porque pelo que falou da personagem e atitudes já deu foi mais um desanimada. Nunca li nada dessa autora mas já vi falando tanta coisa boa de livro dela...tinha curiosidade de ler algum. Mas acho que esse vou passar. Não parece que iria gostar tanto assim.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Priscila.

    Apesar de todas as ressalvas pontuadas, a Angelique me parece ser uma personagem centrada e forte, fruto de todos os seus sofrimentos.

    Pena que o livro não tenha um foco destinado. No entanto, ao mesmo tempo, o livro nos dá o deslumbre de ver toda a luta da personagem (ainda mais sendo mulher) em um cenário desprovido de direitos iguais.

    Talvez, ao lê-lo, pode ser que eu me sinta meio perdida, mas espero gostar do livro.

    ResponderExcluir
  3. Poxa já tava animada achando que era um romance de época e fui tapeada. Apesar de relatar a luta das mulheres em uma sociedade extremamente machista a premissa não me agradou muito, Mesmo querendo sair um pouco do gênero romance esse livro não chamou minha atenção.

    ResponderExcluir
  4. Oi Priscila,
    Já li muitos livros da Danielle Steel, mas faz anos que não leio algo da autora, até tinha ficada empolgada em ler esse lançamento quando vi a divulgação, pois acreditei que era um romance de época. Agora fiquei surpresa em saber que o livro não é desse gênero, a sinopse induz a gente a pensar que seria uma história totalmente diferente.
    A autora geralmente cria personagens que sofrem o livro todo, com muito drama, trazendo histórias de superação no final.
    O fato de não ter um romance propriamente dito, sem um mocinho, não me afeta muito, pois pelo que entendi, a autora quis trazer uma história de superação da protagonista, focando na luta das mulheres naquela época.
    Confesso que não sinto aquela vontade de ler, mas ainda assim, não descarto essa leitura.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi Priscila,
    Não conheço nem esse livro, nem a autora, mas fiquei muito interessada para ler, mesmo você falando que achou o livro morno. Achei a história bem legal, e já fiquei animada.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Priscila!!
    Tem um bom tempo que li um livro da autora é infelizmente não tive uma boa experiência com ela. Achei a premissa do livro muito boa a capa linda demais mas não fiquei interessada em fazer a leitura.
    Bjoss

    ResponderExcluir
  7. Priscila!
    Desde minha adolescência gosto demais de ler os livros da autora, justamente pela forma abrasiva como ela escreve, sem meias palavras, direto ao ponto ou a realidade nua e crua. Pena que não conseguiu ir até o fim em outros livros dela...
    Sinto que seja um livro triste, mas reflete o que realmente acontecia na sociedade da época.
    E sendo romance de época, já quero poder ler.
    “Nunca sei se quero descansar porque estou realmente cansada, ou se quero descansar para desistir. “ (Clarice Lispector)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA JUNHO - 5 GANHADORES
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  8. Olá! Eita que eu estava esperando mais um romance de época para acalentar o meu dia, muito chato quando isso acontece, por isso procuro resenhas sobre o livro, antes de começar a leitura. Apesar de não ser o que eu esperava, a história parece ser interessante, e já estou com uma dorzinha saber que a protagonista sofre, sofre e sofre ainda mais, como fã de novelas mexicanas assumida, o enredo me conquistou.

    ResponderExcluir
  9. Tenho um relacionamento de ódio à primeira vista com Danielle Steel. Com romance ou sem romance, não há leitor que resita a uma história com desgraças do começo ao fim. Pra quem viveu cercada de cuidados e luxos até o 18 anos, ela até que se saiu muito bem, mesmo com todos as desgraças dignas de uma Maria do Bairro.

    ResponderExcluir
  10. Oi, Priscila
    Não tive oportunidade de ler livros da autora, a capa do livro é linda.
    Mas retrata fatos que aconteciam antigamente com as mulheres, como a personagem sofre como a Maria do bairro, então o livro é triste mesmo.
    Se algum dia tiver oportunidade vou ler.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi Priscila,
    Então, eu também pensava que era romance de época, mas como já conheço alguns livros da autora, fiquei com o pé atrás, ao contrário de vocês achei todos bem morno, quase parando kkk
    A história até que não é ruim, acho legal uma "mocinha" pensar nessa idéia para sobreviver, mas sim, vai contra tudo o que uma mulher faria na época.
    Não tenho tanta vontade de ler por conta da autora, mas me encantei com essa capa!
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Oi!
    Sempre vejo as pessoas falarem muito bem da escrita da Danielle Steel, porém até hoje li apenas um livro da autora que me decepcionou e muito, pois tem uma historia incrível, mas uma escrita bem repetitiva e que mesmo tendo um enrendo maravilhoso, quase me fez desistir, por isso sempre que vejo livro da Danielle Steel fico o receio e com esse não foi diferente e pela a resenha estou vendo que não é um livro que vá me conquistar !!

    ResponderExcluir
  13. Nossa que decepção, sério, quando vi que você deu 3 estrelas já fiquei meio desconfiada, então parti pra ler a resenha. Quem gosta de romances com certeza já viu o nome Danielle Steel, e eu não sou diferente disso, sempre tive curiosidade pra ler algo dela e esse livro A Duquesa acho que é o que mais já ouvi falar dela. Primeiro fiquei decepcionada pq achava que era um romance de época, daqueles bem legais, com mocinha independente, tendo que enfrentar os preconceitos da época e tendo um cara lutando por ela, só de ler a resenha e ver que tudo isso foi contrariado já perdi o desejo de ler. Fiquei bem triste.

    ResponderExcluir
  14. Adorei a sinopse do livro e a contextualização histórica presente nele essa autora tem me pegando de jeito nas leituras e me surpreendendo a cada página por ter uma daquelas mocinhas e dependentes que sempre quebra barreiras e nos surpreende

    ResponderExcluir
  15. Olá!
    A sinopse e muito boa e a capa realmente linda, mas pelo seu ponto de visto vejo que as vezes podemos se engana pela capa por pensa que é um gênero e no final não é, fiquei bem receosa por ele. Quem sabe leio em breve.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir