Divina Vingança - Robin Lafevers - O Clã das Freiras Assassinas #02

Editora: V&R
Páginas: 390
Classificação: 

Sinopse: Sybella nunca soube ao certo o que era amor. Não sem segunda intenções. Desde sua infância, ela teve de confiar em si mesma para conseguir sobreviver. Ao chegar no convento de Saint Mortain, Sybella recebe o refúgio de que tanto precisava, porém isso terá o seu preço. As irmãs, que servem ao deus da Morte, percebem que a garota tem atributos e que ela pode se tornar uma arma poderosa. Ela vive durante três anos no convento e é treinada para enfrentar quem quer seja. Sybella já não é mais uma garotinha inocente, e sabe disso. Agora é uma mulher madura e totalmente preparada, uma assassina experiente, que mata a quem merece e o faz por gosto e sem piedade. Nunca se arrepende de suas decisões. Pelo contrário, ela sabe onde se encontram seus pontos fortes e como usá-los para cumprir sua missão. Porém, ela é enviada de volta para o lugar onde passou sua infância, para espionar seu pai, o cruel D'Albret. Ela começa a se lembrar de coisas horríveis que aconteceram enquanto estava sob o domínio dele e decide compartilhar com Fera, quem, fora do convento, torna-se seu companheiro. Juntos eles redescobrem a confiança e o amor. Assim, Sybella caminha por uma teia complexa de vingança e ódio, em busca de seus traidores, que levam a marca do deus da Morte. Ambientado da França medieval, Divina Vingança é o segundo livro de O clã das freiras assassinas, uma trilogia de mulheres fortes em busca de seu próprio destino.



Esse é o segundo livro da trilogia das Freiras Assassinas e eu quero agradecer muito a minha amiga Crislane do IG @juntodoslivros por ter me indicado essa preciosidade. 

Sybella conhece a crueldade de perto. Desde muito jovem ela conheceu o que é sofrer através do pai, um homem que não mede consequências para ter o que quer. Um homem que matou 6 esposas e está prestes a obrigar a duquesa a casar com ele. E é por isso que depois de ter passado três anos dentro dos portões do convento das freiras que servem a Mortain, ela volta para a família. Quando recebe a incumbência de resgatar Fera, que está preso e sendo torturado por seu pai, o conde D'Albret. Porém, quando ela o salva, ele também vê algo que precisa ser protegido.

A escrita de Robin parece ficar melhor a cada livro que leio dela, em Divina Vingança ela explora relações controversas que são geradas pelo desespero do ser humano por amor e afeto e principalmente a crueldade dos homens para com suas mulheres. 

Sybella sofre muito, mas tem uma lealdade admirável, ela ama as amigas que fez no convento e fará de tudo para protegê-las de seu pai. Ela não acha que é merecedora do amor, na verdade ela não acha que consegue amar, pois nunca conheceu isso em sua vida.

Fera, por sua vez, vê uma menina que foi negligenciada não só por sua família,mas pelas pessoas as quais ela pediu ajuda, mas que mesmo assim encontrou conforto em matar. Ele enxerga mais de Sybella do que ela mostra e aparece no momento em que ela mais precisa, quando ela está perdendo sua fé.

O romance entre os dois nasce de uma cumplicidade encontrada na paz em obter justiça com as próprias mãos. Eles se encontram em meio a sangue e morte e isso parece combinar bastante com ambos. 

Eu adorei essa capa, achei ela perfeita para a narrativa. Enfim, acho que essa trilogia virou uma das minhas favoritas do gênero e eu ainda nem terminei de ler.

12 comentários:

  1. Muito bacana já vir a resenha do segundo livro, assim logo após o primeiro! Parece ser uma saga muito interessante, não só por trazer uma protagonista tão forte, tão atrás da sua história,mas também toda uma gama de personagens que precisam estar ali no enredo.
    Fora a parte do romance(que a gente gosta e demais).rs
    Com certeza, espero ler!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Olá, Priscila
    Nossa essa trilogia deve ser maravilhosa de ler.
    Quero ter oportunidade de ler ela gostei muito da premissa do segundo livro mais do que o primeiro, porque Sybella ainda encontra o amor de amigas e seu relacionamento com Fera. Tudo o que ela não teve na infância.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Oi, Priscila,

    De cara, a missão dada a personagem aparenta ser um pouco inusitada, porém as motivações por trás disso mostram-se importantíssimas e racionais. O enlace do poderio feminino com a junção do romance inserido já gerou em mim uma expectativa em lê-lo.

    ResponderExcluir
  4. Oiee!
    Essa série não é pra mim. Desde a resenha do primeiro livro já percebi que não ia querer encarar a leitura, apesar de ter uma certa ação, só isso não vai me fazer mudar de opinião.
    Essa série, vou deixar passar.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Pricila!
    Gostei do título da série...kkkk O clã das freiras assassinas, nossa!
    Bom quando o livro traz fatos históricos incorporados a ficção.
    Que pai ruim, hein?
    Pelo jeito ação não faltou, né?
    Nossa! abuso psicológico e físico, além de possível envolvimento incestuoso, deve ter sido bem complicado para ela.
    É um livro interessante sim, embora não seja tão bom quanto o anterior.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  6. Oi Priscila!
    Li uma resenha do primeiro livro e gostei bastante, este parece ser bom tbm.
    O enredo e os personagens parecem ter sido bem desenvolvidos, a leitura deve ser bacana, espero ler um dia pois já está nos desejados.
    E essa capa? Linda!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  7. Tô gostando muito das resenhas, apesar de achar contraditório garotas sendo recrutas a um convento pra tornarem-se assassina. Sei que o foco é Sybella, mas Fera tbm pareceu ser um bom personagem e fiquei curiosa sobre o pq do nome e o pq de ele ser um prisioneiro desse pai horrendo dela.

    ResponderExcluir
  8. Olá! Realmente essa trilogia parece ser viciante, confesso que gostei mais dessa capa, Sybella sofreu bastante na sua vida hein, espero que o romance dela com Fera seja bonito de acompanhar, apesar de todas as adversidades que os dois enfrentarão.

    ResponderExcluir
  9. Esses livros parecem ser bons mesmo e que legal que a escrita e trama só melhoram. Tem até um romance pra dar aquela graça a mais e torcida. Gosto desse jeito protetor da Sybella, essa lealdade. E todas as coisas cruéis e ruins da história deve deixar a gente querendo que as coisas melhorem e torcendo por isso, por um fim legal para os personagens. Tomara que o outro seja ainda melhor.

    ResponderExcluir
  10. Oi, Priscila!!
    Que bom que nesse segundo livro da trilogia das Freiras Assassinas, a história prende ainda mais! Fiquei bem curiosa para conhece um pouco mais a história da Sybella como ela torno-se uma assassina, e se ela vai conseguir proteger suas amigas e finalmente como Fera poderá ajudar a Sybella.
    Bjos

    ResponderExcluir
  11. Também me senti bastante assim quando terminei o primeiro livro e fui para o segundo a história conseguiu ser mais distante ainda eu só acho que a história P com um pouquinho em algumas cenas da Fera

    ResponderExcluir
  12. Não conhecia a trilogia ainda, mas gostei bastante da sua resenha, deu pra ver que é uma boa história, bem desenvolvida e com personagens bem interessantes.
    A Sybella parece ser muito forte e do tipo de mulher empoderada, que mesmo sofrendo tanto, ainda consegue lutar e ajudar os outros.
    bjsss

    ResponderExcluir