[Primeiras Impressões] Super Drags - Primeira Temporada (2018)


"Aquenda. É hora de se montar!"

Super Drags antes mesmo de estrear já levantou polêmicas entre a hipócrita família tradicional brasileira, que não leu ou não lembra o que é classificação indicativa. A animação original da Netflix, que é recomendada apenas para maiores de 16 anos e traz uma mistura de meninas super poderosas, as três espiãs demais e todos os desenhos de super heroínas que permearam nossa infância.



No desenho vamos conhecer Safira Cyan, Lemon Chifon e Scarlet Carmesin que juntas e montadas formam esse trio de heroínas babadeiras! As Super Drags, que com seus poderes protegem as poc  dos vilões Lady Elza e pastor Sandoval. A primeira pretende chupar o highlight das bicha para se tornar uma estrela maior que a Goldiva, já o segundo, comanda a igreja Gozo dos Céus, onde promove a cura gay. 



Comandadas por Vedete Champagne e seu assistente Dild-o, as Super Drags com toda sua força vão vencendo o mal. No dia-a-dia elas trabalham em uma loja de departamento e passam por situações de preconceitos diários. O que eu achei super interessante, pois os criadores conseguiram abordar situações cotidianas que a comunidade LGBT+ passa (e aqui não vou me aprofundar muito, pois não é meu lugar de fala), exemplos disso foram: a não aceitação da família, o padrão de beleza (dar ou não pinta?), entre outros. 

O jogo de cores usado pelos criadores da série, que são todos brasileiros, também expressa essa diferença entre o ser feliz e o ser fiscal da genitália alheia. Todas as cenas com as poc ou com as Super Drags trazem muitas cores vibrantes que expressam alegria, felicidade, aceitação. Enquanto o lado do mal vem com cores mais sóbrias, músicas sombrias e muito mal humor. 


Os traços do desenho nos remetem aos desenhos dos anos dois mil, como As Meninas Super Poderosas, olhos expressivos, bocas marcadas e muita personalidade são o marco do desenho, me parece que os criadores e roteiristas tiveram o cuidado de retratar a diversidade da diversidade. 

O time de dubladores não fica atrás, nada mais nada menos que Pablo Vittar, que como sempre foi longe demais, Silvetty Montilla, drag queen brasileira,  e muitos outros para dar voz a esses personagens tão queridos que já ganharam nossos corações.



Então eu, recomendo muito se você tem mais de 16 anos dar uma chance a essa produção brasileira que não perde em nada para nenhum desenho gringo. Ultimamente não temos muito do que nos orgulhar em dizer "sou brasileiro", mas essa produção posso dizer que resgatou um pouco do meu sentimento de "cara, que massa olha esses brasileiros".

11 comentários:

  1. Sinceramente não tenho vontade de conhecer esse desenho e não pretendo assistir por enquanto, nada contra, só dou minha preferência para os desenhos antigos mesmo.
    Já tinha visto vários comentários que ia lançar o Super Drags e vi que teve bastante treta, mas nem fui atrás pra ver o que era kkkkkk

    ResponderExcluir
  2. Oi Pri,
    Menina, essa produção foi mesmo babadeira né ..
    Eu ainda não assisti, mas pretendo. Sei que tem alguns pontos que incomodam, como um pouco de sexismo, mas acredito que seja para fazer críticas.
    Olha, é incrível como as pessoas são cegas, classificação tá ai para ser seguida né? Povo quer polêmica onde não tem ...
    Irei ver e conto se gostei.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi, Priscila
    Tenho Netflix e nem sabia que tinha essa animação.
    Obrigada pela dica, vou lá dar uma olhadinha.
    Mas não sei porque ter briga por isso tem a classificação indicativa e assisti quem quer, quem não quer passa longe uai.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito do trailer dele quando anunciaram e é um projeto interessante, uma animação brasileira e com tema que adorei porque difere de muita coisa e nunca vi. Tem lá uns exageros, umas coisas meio batidas, uns clichês, mas gostei do jeitinho dela. O humor bobo, umas questões bem típicas e tristes de preconceito e essas coisas... sem comentários pra aquela hipocrisia nojenta do vilão lá. E o pior é ver gente conhecida quando se pensa nele e o no que ele prega. Ouvi uns bons nomes sobre quem seria a inspiração do Gozo...
    É uma animação no mínimo interessante e apesar de não ter me feito esguelar de rir ela me chocou positivamente com muita coisa. É boa. Deu vontade de ver mais.

    ResponderExcluir
  5. Oi Priscila,
    Só assisti o primeiro episódio, e não tava sentindo vontade de assistir aos outros, mas depois de ler isso, acho que vou dar uma chance.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Priscila!!
    Gostei bastante das primeiras impressões sobre Super Drags, pois adorei essa mistura de Meninas super poderosas e As três espiãs demais. Vou com certeza dar uma chance a essa animação tão bacana!!
    Bjos

    ResponderExcluir
  7. Olá! Essa animação parece ser bem divertida, ainda não conferi, mas fico feliz que um desenho tão bom e repleto de mensagens tão bacanas tenha sido desenvolvido por brasileiros, ainda mais que eles usaram como inspiração para criar os personagens desenhos que fizeram parte da minha infância.

    ResponderExcluir
  8. Oi Priscila!
    Acredita que eu ainda não tinha conhecimento sobre essa série?
    Gostei viu...Vou tentar ver qqr dia, se minha correria diminuir... rsrs
    Bjs!!

    ResponderExcluir
  9. Eu me lembro de ter visto publicidade acerca dessa nova série da Netflix e eu sei que a pabllo vittar está dublando um dos personagens principais mas eu não tive tanto interesse em conferir a série Por enquanto vou tentar assistir nas férias mas realmente não estou com muita pressa em ver

    ResponderExcluir
  10. Eu achei a ideia da animação maravilhosa e quero muito assistir.
    Quanto aos hipócritas, nem sei o que pensar, pra mim eles são os piores. O resultado das eleições prova o quanto estamos perdidos nesse país de preconceitos.
    bjs

    ResponderExcluir