Minha vida em Marte (2018) | Crítica





Mais um filme com Paulo Gustavo para a conta.

Se tem uma gênero de filme brasileiro que dá certo, ainda, é a comédia. Como um dos queridinhos atuais desse gênero, Paulo Gustavo ainda não tinha lançado nenhum filme esse ano, mas Minha Vida em Marte veio para trazer o ator de volta, que tanto atraiu o público com Minha Mãe é Uma Peça 1 e 2, sendo um sucesso de bilheterias.

Minha Vida em Marte é a sequencia do filme "Os homens são de Marte... e é pra lá que eu vou" e que continua contando a história dos dois amigos que trabalham com organização de eventos de qualquer espécie, seja um casamento ou um funeral. Fernanda (Mônica Martelli) e Aníbal (Paulo Gustavo) se dão muito bem no que fazem, entretanto, a vida pessoal de Fernanda com o marido Tom (Marcos Palmeira) não anda nada bem. Assim, os amigos irão entrar em várias "aventuras" para tentar salvar o casamento.


O filme, simplesmente, não traz nada de novo para o gênero, parece mais do mesmo, só que com baixo orçamento. Paulo Gustavo interpretando o mesmo personagem caricato, ficando igual a todos os outros do ator, passando por Vai Que Cola, os milhões de personagens do 220V e até traços de Dona Hermínia de Minha Mãe é Uma Peça, sendo algo puxado e o único ponto de humor no filme, pois os outros papeis não ajudam em nada no desenvolvimento da comédia dentro da história.

Ou seja, Paulo Gustavo interpreta, mais uma vez, Paulo Gustavo. E não pense que Mônica Martelli fica longe disso, parecendo mais do mesmo.

O filme tem um roteiro nada bom. Quando você assiste, parece mais com um episódio de Zorra Total, em que cada cena não é feita para o desenvolvimento da história, mas sim para fazer quem está assistindo rir. Há um excesso de parte desconexas com a trama que estão ali apenas para fazer o público achar graça, e não passa disso.

Nem o personagem de Paulo Gustavo, nem o personagem de Mônica Martelli evoluem durante todo o filme. Não querendo explicar o feminismo, pois não é meu lugar de fala, só que é estranho ver um filme na atualidade que conte basicamente sobre uma mulher que tem apenas como propósito encontrar um homem, custe o que custar. Não consigo lembrar de uma cena que não seja Fernanda ou reclamando que não aguenta mais o marido, mas quer fazer de tudo para ficar com ele, ou Fernanda insistindo que ficar com homens é a única solução para todos os problemas de sua vida, se resumindo o filme todo a isso. Por se tratar de um filme episódico, parece que os dois amigos estão mais preocupados em encontrar um homem que os satisfaça a cada ato diferente.

Teste de Bechdel passou foi longe dessa obra.


O único motivo que me faria assistir ao filme novamente seria as piadas, que também não são lá essas coisas, mais uma vez, mais do mesmo.

Filme estreia hoje, 25 de dezembro em todos os cinemas nacionais. 


12 comentários:

  1. Paulo Gustavo é maravilhoso, mas esse ano e ficou sumido.
    Eu amo a comédia brasileira, apesar de ter tempo que não assisto uma.
    Eu ainda não vi Os homens são de Marte... então não teria graça assistir esse.
    Preciso concordar que as coisas estão perdendo a originalidade, isso me deixa até sem vontade de assistir.
    Tem comédias melhores no nosso cinema.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Nem sabia da existência desse filme. Não sou muito fã de filmes nacionais só que adoro Paulo Gustavo, mas só de ver a foto e o trailer desanimei de assistir. Não estamos numa época em que precisamos de mais do mesmo para satisfação, pelo contrário, tudo que é novo é bem vindo então não tive vontade de ver :(

    ResponderExcluir
  3. Não gosto de comédias, logo não me interessei muito pelo filme. Além disso, confesso que, em geral, não curto o cinema brasileiro. Temos documentários bons, mas não muitos filmes bons.

    ResponderExcluir
  4. Olá! Uma pena que o filme não apresente nada de novo, e que os personagens sejam tão artificiais assim. O enredo parece que também não ajuda muito, acredito que seja aquele filme bem comercial, com o único objetivo de arrecadar dinheiro.

    ResponderExcluir
  5. Kevyn!
    Uma pena o filme ser mais do mesmo, principalmente porque amo os dois atores.
    Agora penso assim, mesmo sendo algo nada inédito, se nos faz rir, por que não assistir?
    Mesmo que não seja no cinema, para não gastar dinheiro, né?kkkk
    Esperar chegar nos stremings da vida...
    Final de semana maravilhoso!
    “Que a paz, a saúde e o amor estejam presentes em todos os dias deste novo ano que se inicia. Feliz Ano Novo!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Oi, Kevyn!
    Só assisti Minha Mãe é Uma Peça 1 mas gostei da atuação do Paulo Gustavo e pretendo assistir o segundo filme também.
    Quanto a Minha Vida em Marte, não assisti "Os homens são de Marte... e é pra lá que eu vou", sinceramente eu nem conhecia e confesso que não me interessei por Minha Vida em Marte, um filme estilo Zorra Total não faz muito o meu gênero, sem falar nesse desejo do casal amigo em busca de um homem, assim como você também achei bem estranho uma personagem feminino agir assim levando em consideração um tema tão atual como o feminismo... Pelo visto o filme deixou bastante a desejar.

    ResponderExcluir
  9. Olá, Kevyn
    Concordo com você se eu fosse assistir seria apenas para rir com o Paulo Gustavo adoro ele.
    Uma pena as cenas do filme parecer mais um zorra total do que um filme com começo, meio e fim.
    Mas pelo Paulo Gustavo vale a pena assistir.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oi, Kevyn!!
    Gosto muito de filmes de comédia mas ainda não assisti "Os homens são de Marte... e é pra lá que eu vou" e tenho quase certeza que não vou assistir essa continuação Minha vida em marte, o motivo não curto histórias parecidas com o programa Zorra Total, passo é longe de filmes com esse estilo.
    Bjos

    ResponderExcluir
  11. Eu temo a mente tenho perdido muito o interesse para filmes de comédia nacional sei lá e já está um pouco cansada de ver o Paulo Gustavo sempre interpretando mulheres em seus filmes quero ver ele abordando novas áreas e estrelando novos papéis o cinema nacional basicamente se limita a comédia e eu queria ver mais diversidade nisso

    ResponderExcluir
  12. Oi, Kevyn.
    Nossa, menino, eu tava louca para assisti-lo, perdi a vontade.
    Que chato!
    Bem sem noção e clichezão esse filme.
    Muito ruim mesmo filmes em que as personagens femininas só ficam querendo arrumar um namo custe o que custar.
    Pega mal pras mulheres na vida real, a gente não é assim não kkkkk
    Não assistirei.
    bjs

    ResponderExcluir