A Dama Mais Apaixonada - Julia Quinn, Eloisa James, Connie Brockway

Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Classificação: 
Onde Comprar: https://amzn.to/3f3JYAQ

Sinopse: Entre no mundo cintilante do período da Regência e prepare-se para ter seus corações aquecidos por Julia Quinn, Eloisa James e Connie Brockway... Durante sua peregrinação anual de Natal à Escócia, para visitar seu tio idoso em seu decrépito castelo, o Conde de Rocheforte e seu primo, Conde de Oakley, recebem presentes únicos: seu tio invadiu a festa de Natal de um lorde inglês - Lorde Bretton - e sequestrou quatro adoráveis mulheres para seus herdeiros escolherem... O castelo fica isolado devido à nevasca e as horas se tornam dias, as intenções mais honrosas revelam tentações tão surpreendentes quanto irresistíveis.



 A Dama Mais Apaixonada é o segundo volume da duologia em que Julia Quinn se reuniu a outras duas autoras para criar uma história, dessa vez vamos nos aventurar nas Terras Altas.

Taran Ferguson cansou de esperar seus dois sobrinhos e herdeiros arrumarem noivas. Então, depois de beber um pouco ele parte com seus homens com a missão de raptar moças em um baile que está acontecendo em um castelo vizinho. No meio da confusão ele rapta quatro moças e o Duque de Bretton. Em meio a muita neve eles ficarão presos no castelo de Finovair por alguns dias e tudo pode acontecer.

Fiquei um pouco chateada com esse livro, pois as autoras seguiram a mesma linha narrativa do primeiro livro. Três (quatro, na verdade) casais e amor a primeira vista. E eu acho que elas poderiam ter inovado de alguma forma. 

Dito isso, gostei bastante dos casais. O Duque de Bretton com Catriona Burns. Lorde Oakley com Fiona Chisholms e Lady Cecily e o Comte (Conde Francês) de Rocheforte. 

Os três são bastante inusitados, mas meu favorito com certeza foi Lorde Oakley e Fiona. Um Duque que sempre prezou pelas regras sociais e pela reputação que acaba se apaixonando por uma moça com reputação maculada. Achei que apesar de ser bem rápido, como falei amor a primeira vista, foi a história das três que ficou melhor estruturada.

O destaque negativo vai para os personagens secundários, odiosos. Não curti muito o tio dos rapazes e odiei a meio-irmã de Fiona, uma mocinha mimada e má sem motivo algum.

Não posso deixar de comentar sobre essa capa maravilhosa. Amo as capas da Editora Arqueiro. E aí me contem: quem já leu essa duologia?

2 comentários:

  1. Olá! Engraçado que antes de ter o meu livro em mãos cheguei a pensar que nesse volume teríamos a história de alguns personagens que apareceram no livro anterior, mas apenas o Duque de Bretton ganhou sua própria história (uma pena, porque estava curiosa sobre o destino de outros personagens), achei que esse volume usou mais do humor nas histórias, o Taran é realmente um personagem bem controverso, mas até que eu gostei dele, meu casal preferido foi o Duque de Bretton e Catriona Burns.

    ResponderExcluir
  2. Priscila!
    Adorei a ideia de juntar três grandes escritoras de romances de época e criarem um única história, cada parte escrita por uma delas, o prólogo, o primeiro capítulo e o epílogo, escrito pelas três e três histórias do enredo, escrito separadamente por cada uma delas.
    O bom é que não dá nem para notar que a narrativa muda de escritora, mesmo que cada história tenha lá suas próprias peculiaridades. Achei a criatividade genial. Cada autora escreve como se fosse um conto para cada casal e o mais inusitado é que mais um casal é criado inesperadamente no final do livro, sensacional.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir