O Ano do Dilúvio - Margareth Atwood - MaddAddão #02


Editora: Rocco
Páginas: 472
Classificação: 
Onde Comprar: https://amzn.to/2IJJxxJ

Sinopse: Pensamentos uniformes, comportamentos programados, regimes de exceção, controle social, experiências genéticas e a luta por uma sobrevivência cada vez mais em risco pelo desrespeito à natureza estão em O ano do dilúvio, romance pós-apocalíptico da canadense Margaret Atwood. Se todos os elementos de uma distopia estão encadeados na surpreendente trama criada pela celebrada autora de O conto da aia, o futuro em que a história se situa não parece tão distante da atualidade. O ano do dilúvio é o segundo de uma trilogia que começa com Oryx e Crake e se encerra com MaddAddão, e retorna às livrarias com novo projeto gráfico de capa. O livro se inicia no Ano 25, o Ano do Dilúvio Seco, termo com que os personagens se referem à epidemia que matou muitas pessoas. Não há descrição sobre o tipo de doença, sabe-se apenas que um de seus sintomas é a tosse. Os sobreviventes estão divididos entre os que preferem o mundo de prazeres artificiais, no qual os shopping centers e os spas voltados para a estética são reverenciados como templos, e os que buscam um retorno à vida naturalista. Concorrendo na conquista desses sobreviventes, estão a seita ecológico-religiosa dos Jardineiros e corporações como a CorpseCorps, que detém o conhecimento científico e tecnológico e se esforça para manter o controle de toda a sociedade. Dois personagens, Toby e Ren, dão pistas do desastre: um mundo dividido entre os ricos moradores dos condomínios artificiais que trabalham com biogenética; miseráveis e imigrantes, que vivem nas ruas da Plebelândia; e ecofanáticos, que lutam contra experiências genéticas e o consumismo desenfreado. A degradação, o temor e o instinto de sobrevivência caminham juntos no cenário de desesperança traçado por Margaret Atwood em O ano do dilúvio. Nesta trama perturbadora, sombria e extremamente atual que reflete sobre a ilimitada capacidade humana para dizimar sua própria espécie, há espaço, porém, para valores como a lealdade, o afeto e a amizade.





O Ano do Dilúvio é o segundo volume da trilogia MaddAdão. Quem me conhece sabe que eu raramente leio distopias, pois das que havia lido até o momento nenhuma conseguia me satisfazer e olha que eu li um número considerável delas, as mais badaladas e comentadas e sempre acabava frustrada. Até me deparar com a narrativa de Margareth Atwood. No mínimo aterradora, a autora nos leva para um futuro que parece bater em nossa porta.


Depois de conhecermos a narrativa de Jimmy, nos deparamos com outro lado dessa mesma história que parece ser o outro lado da mesma moeda. Nos deparamos com o Dilúvio Seco, que nada mais é que a epidemia que matou quase que a humanidade por completo. O que Jimmy não poderia saber é que existe um grupo de pessoas preparado para o que estava por vir, pessoas que por anos cultivaram a natureza e conspiraram contra as corporações e que foram mais próximos dele que ele poderia imaginar. Assim, conhecemos Toby e Ren, nossas narradoras.

Toby foi uma jovem que nasceu na plebelândia e que sentiu na pele os efeitos colaterais das grandes corporações. Depois que sua mãe adquiriu uma doença desconhecida e morreu, seu pai se matou e ela acabou tendo que sair da faculdade e se tornar atendente num restaurante fast food, onde foi submetida ao abuso psicológico e sexual de seu chefe, Blanco. Até que foi resgatada por um grupo considerado religioso fanático: os jardineiros de Deus e foi isso que a salvou.

Ren é uma personagem que não deveria nos ser desconhecida, pois ela foi a primeira namorada de Jimmy e amiga de escola de Crake. O que não sabíamos é que essa garota passou parte da infância com os jardineiros de Deus, já que sua mãe fugiu de um dos condomínios e se juntou a eles, voltando anos mais tarde. Essa experiência moldou a vida de Ren e fez com que anos depois ela reencontrasse Crake em circunstâncias muito diferentes. 

Não quero dar muito spoiler dessa história, mas todos os furos deixados no primeiro livro parecem ser respondidos aqui, essa história é como um quebra-cabeça cheio de camadas e parece que acabamos de chegar apenas na metade dele. Algumas perguntas foram respondidas e outras novas se formaram e parece que o final vai ser mais promissor do que eu estava esperando. 

Essa capa é maravilhosa, ela combina muito bem com a história. A diagramação está ótima e contribui para uma leitura fluida. Enfim, recomendo muito para quem ama uma boa distopia.

16 comentários:

  1. Assim como vc não tenho o costume ex ler distopias e não conheço nenhuma que vale ser citada aq. Eu já tinha ouvido falar dessa distopia, mas nunca procurei saber do que se tratava, pois nunca tive multo interesse nas obras e que graças a vc isso Mudou ;)

    ResponderExcluir
  2. Sou apaixonada pelo trabalho da autora. Margareth tem criado um universo assustador em suas histórias, sempre envolvendo um futuro que temo, temo muito.
    E ao mesmo tempo, trazendo personagens tão concretos que fico meio de queixo.
    Não vejo a hora de começar esta distopia. O primeiro livro pode até ter deixado alguns furos, mas acredito que de forma proposital, já que este segundo trabalho desenvolveu melhor todo o conjunto!
    Lerei com toda a certeza do mundo!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Eu gosto de distopias apesar de ser um gênero que leio pouco, gostei bastante de Estilhaça-me.
    Lendo a resenha já vi que a trilogia tem muitosss elementos e tenho medo de ficar meio perdida durante a leitura rsrs precisarei de bastante atenção
    É um cenário que realmente bate a nossa porta o que me deixou ainda mais curiosa

    ResponderExcluir
  4. Só li um livro dela, mas adorei o jeito da escrita da autora e esses também chamaram atenção. É bem legal esses futuros distópicos e como a história deixa uma mensagem pra gente, dá certo medo de imaginar, mas não fica impossível de imaginar. Parece mais um com uma história legal e ver como esses sobreviventes lidaram com as coisas é bem interessante. Saber das pontas soltas do primeiro, ir formando o quadro maior de toda a história e personagens... Parece muito bom.

    ResponderExcluir
  5. Eu li O Conto da Aia ano passado, e fiquei chocada com a história justamente por ser um livro de distopia que mostra um futuro que não parece tão distante assim.

    Também não sou muito de ler livros do gênero, mas a escrita da Margaret prende o leitor até o fim. Já vi resenhas do primeiro livro da trilogia, e com certeza quero ler MaddAdão, e acompanhar a história de Toby, Ren e Jimmy. Adorei a resenha!

    ResponderExcluir
  6. Priscila!
    Já tive oportunidade de ler outro livro da autora, mas não dessa série que pelo visto, a conquistou profundamente.
    A autora realmente tem uma criatividade distópica genial e envolve o leitor com suas personagens bem construídas.
    Quero ler.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  7. ooooi! tudo bem?
    não costumo ler romances pós-apocalípticos porém esse me chamou atenção por ser do mesmo autor do conto da aia (livro que li).
    agora que voce me apresentou, com certeza vou procurar ler o primeiro livro.
    e quando ler vou vir aqui comentar o que achei.
    bjjjsss..
    s2

    ResponderExcluir
  8. Olá! Ainda não tive a oportunidade de conhecer a escrita da autora, mas cada nova resenha de seus livros me deixa mais empolgada, eu gosto muito de distopias e essa parece ser incrível, pois além de ser bastante real (o que é assustador), também parece ser muito intensa, gosto que tenhamos algumas respostas para as lacunas deixadas pelo primeiro livro, mas que também fiquemos curiosos em conferir logo o próximo volume.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Priscila
    Leio distopias mas ainda não tive oportunidade de conhecer a escrita de Margareth Atwood.
    Cada resenha que leio sobre seus livros aumenta mais minha vontade de ler seus livros. Mesmo sem ler o livro tenho a impressão que a trama tem uma verossimilhança com a realidade, que me deixa muito intrigada. Que bom que a autora sanou algumas dúvidas do livro anterior. Como no Conto da Aia, que já faz alguns anos que foi escrito e pelas resenhas que li não foge da nossa realidade.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Ainda não tive a oportunidade de conhecer a escrita da autora, mas as resenhas sobre os livros delas tem me dado um certo interesse em procurar ler, gosto muito de distopias e essa parece ser incrível,chega parecer real.Pelas resenhas que ja esbarrei os seus personagens são muito bem elaborados.

    ResponderExcluir
  11. Gosto muito de històrias pòs-apocalípticas, me faz imaginar como seria o futuro, da até um medinho. Li a resenha do primeiro volume e nem imaginava que tivesse uma continuação, o que me deixa mais curiosa.

    ResponderExcluir
  12. Oiii ❤ Adoro ler distopias, mas já faz um bom tempo que não leio nenhuma, pois está difícil achar uma que prenda completamente minha atenção. Mas essa trilogia chamou minha atenção, é bem diferentes de outras distopias que li.
    Achei legal o mundo criado pela autora, é bem original, nunca vi nada do tipo. É muito interessante a autora fazer a trama num mundo onde de um lado estão os ambientalistas que se importam com o que será da natureza e do outro donos de grandes corporações que apenas se aproveitam da natureza sem moderação.
    Achei triste tudo que Toby teve que passar em sua vida.
    Obrigada pela indicação de leitura.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  13. Olá! ♡ Eu gosto bastante de distopias, mas faz tempo que eu não leio o gênero. Por isso, estou animada para iniciar a leitura dessa trilogia.
    Nunca li nada da autora, mas estou ansiosa para conhecer a famosa trilogia MaddAdão, que conquistou tantos leitores.
    O mais interessante é o fato de que o cenário da história não é tão diferente do que já estamos vivendo e do que ainda viveremos se a natureza continuar sendo destruída.
    Quero muito conferir todas as críticas que Margaret Atwood faz. Espero ter a oportunidade de ler esses livros em breve. Obrigada pela indicação!
    Beijos! ♡

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Eu não li livros que haja uma distopia, mas me parece bastante interessante isso. Alias, esse livro me deixou bastante curiosa por ele, já li algumas resenhas e sempre diz o mesmo, que é uma historia maravilhosa e com uma premissa super boa. Espero ter a oportunidade de ler em breve!

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  15. Oi, Priscila!!
    Adoro um bom livro de distopia e essa trilogia MaddAdão da autora Margaret Atwood parece ser bem interessante, gostei da história e que bom que nesse segundo livro a autora consegui responder os furos deixados deixados no primeiro volume. Estou gostando muito de acompanhar as resenhas da trilogia aqui no blog.
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Oi, Priscila!
    Adoro distopias, mas dei um tempo porque eu já estava enjoando.
    Essa parece bem original, mas achei meio confusa, um tanto complexa.
    Mesmo assim vou querer ler em breve, pois as críticas dos livros da Margareth Atwood são sempre maravilhosas.
    bjs

    ResponderExcluir