Os Testamentos - Margareth Atwood

Editora: Rocco
Páginas: 448
Classificação: 
Onde Comprar: https://amzn.to/36XOUTB

Sinopse: Após quase 35 anos do lançamento de O conto da aia, distopia que arrebatou o mundo todo e nos transportou para o centro de um governo teocrático em que as mulheres perderam seus direitos e identidade, Margaret Atwood nos brinda com Os testamentos, uma obra igualmente genial, que responderá perguntas que não saíram de nossas cabeças desde que a porta da van se fechou, levando Offred para um destino imprevisível. Dessa vez, teremos três narradoras, que, através de seus testamentos, apresentarão mais detalhes sobre o mundo além dos muros de Gilead, e darão luz a espaços obscuros que revelam mais do que podemos imaginar sobre um regime ditatorial e sobre as pessoas que sustentam sua estrutura.  Os testamentos se passa quinze anos após os acontecimentos aterrorizantes de O conto da aia. Mesmo diante de inúmeras tentativas de desestruturação, o regime da República de Gilead permanece de pé, mas há sinais de que suas pilastras começam a apresentar rachaduras. É nesse momento que a vida de três mulheres se entrelaça.



Faz uns dois dias que eu terminei de ler esse livro e toda vez que eu penso nele eu começo a tremer. Os Testamentos é a continuação de O Conto da Aia, já temos aqui no blog tanto resenha do livro quanto da HQ e da série também. Percebam a minha obsessão por essa história.  Quando saiu esse livro, confesso que eu estava para além de ansiosa para conseguir fazer essa leitura, tanto que quem me acompanha nos stories sabe que eu ganhei a edição hardcover americana de uma amiga. Dito todo meu envolvimento com essa história, é necessário também deixar vocês informados que dessa vez Margareth Atwood se superou no quesito crueldade. 

Os Testamentos tem três narradoras principais: Tia Lydia, a infame carrasca das aias que tanto causava tanto respeito quanto pavor. Agnes Jemina, para quem assiste a série sabe que essa personagem é de extrema importância. E a bebê Nicole, essa personagem veio diretamente da série e foi introduzida na trama. A vida dessas três mulheres está entrelaçada e é ditada pelas regras de Gilead.


"Você não acredita que o céu está caindo até que um pedaço dele caia na sua cabeça." (p.77)
Tia Lydia é uma das personagens mais odiadas de toda a série e com certeza uma das que todos guardamos um pouco de rancor. Em Os Testamentos finalmente, vamos conhecer sua história completa e como ela se tornou uma Tia. Confesso que essa foi a narrativa que não só mais me surpreendeu, mas que me mostrou até onde todos nós podemos ir para cumprir um objetivo. 

"O fanático acredita que matar gente é virtuoso, ou pelo menos matar determinadas pessoas." (p.217)

Nossa segunda narradora é a bebê Nicole, que foi contrabandeada para o Canadá e para quem acompanha a série, sabe que essa personagem é alvo que grande contenda e que causa um grande furor, principalmente na terceira temporada da série. Esse furor persiste no livro e é algo que a autora soube usar muito bem. Eu sinceramente não sei se ela trabalhou com os roteiristas da série para a construção dessa história, mas me parece fazer muito sentido já que tudo que envolve a história dessa criança será retratado na quarta temporada.

"Eu havia pensado e feito tanta coisa proibida naquele dia que me vi pronta a fazer mais uma. Fui até a mesa e fiquei contemplando o livro. O que havia lá dentro que o tornava tão perigoso para meninas como eu? Tão inflamável? Tão pernicioso?" (p.259)

Agnes Gemina é outra personagem que veio da série e que tem também uma grande importância para essa narrativa, talvez sem ela nada teria acontecido. Ela provavelmente tem uma relação com a Tia Lydia de mais proximidade, até onde se pode esperar. 

O que mais me chocou nessa narrativa é que se você acha O Conto da Aia violento, vai encontrar um novo level de violência em Os Testamentos. As fundações de Gilead não só eram absurdas, mas se mostraram altamente falaciosas. Anos depois de sua criação temos um governo que se torna cada dia mais podre e que a cada dia mostra a que veio.

Com certeza eu não vou conseguir descrever essa experiência em sua totalidade, mas a cada vez que eu lembro do que li nesse livro mais medo eu sinto do fundamentalismo religioso que vemos em crescente escalada no mundo. A religião é a entidade mais perigosa que temos hoje. 

Essa capa é milhões de vezes mais linda que a do livro anterior e apesar do livro ser pequeno com relação ao seu irmão americano, ele cumpre os requisitos para uma experiência de leitura satisfatória. Emfim, recomendo a leitura.

7 comentários:

  1. Eita! Meu livro O Conto da Aia deve estar chegando esta semana ainda e não vejo a hora de poder conferir a obra.
    Eu sou fã assumida da série na tv e aliás, estou ansiosa pela próxima temporada.
    Por isso, ler sobre essa sequência me deixou em aflição já por saber desse além das aias..o por trás da maldade.
    Com certeza, espero poder conferir!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
  2. Olá Priscila!
    Eu ainda não conheço nenhum elemento do Conto da Aia. Que bacana a autora ter entrelaçado personagens próprios da série nesse livro, acho bem provável que tenha uma parceria por trás disso sim. Atwood escreve sobre temas pesados, nos faz refletir bastante e suas críticas a sociedade são gritantes, o que pode causar até um certo espanto no leitor. Sem dúvida a religião tem bastante influência no comportamento da sociedade. Também acho que a capa desse livro é mais bonita do que a do seu antecessor.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Preciso ler O conto da aia o quanto antes!
    Eu gostei muito dessa capa.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Conheci sobre o que tratava O Conto Da Aia através de resenhas. Me pareceu uma história bem pesada, mas fiquei mega curiosa para ler, ainda mais sendo uma HQ. Os Testamentos é um livro comum, né, sem ilustrações. Que pena, mas mesmo assim mantenho o interesse.

    ResponderExcluir
  5. Confesso que apesar de ja ter ouvido falar sobre a série não sabia do que se tratava, sua resenha me deixou curiosíssima, muito interessante esse enredo, e acho que é uma leitura ótima para reflexão. Essa edição dispensa, simplesmente lindíssima!!

    ResponderExcluir
  6. E eu esperando menos desgraça. Acho que quebrei a cara então. Amei a ideia dessas narradoras, de misturar até gente da série. Ficou bem interessante e confesso que tô me roendo pra saber dessa bebê. Uma pena que tenha ainda mais absurdos pra acompanhar dessa tragédia de governo, mas o que esperava né? É só coisa horrível. Mas quero muito ver o que ela aprontou nesse livro.

    ResponderExcluir
  7. Olá! Realmente essa capa é bem mais chamativa e bonita, o livro parece ser daqueles super intensos hein, essa violência toda me gera certa preocupação, mas tenho muita vontade de conhecer a escrita dessa autora, por isso vou arriscara assim mesmo.

    ResponderExcluir